O CARNAVAL DE PERNAMBUCO


O Carnaval de Pernambuco ainda faz jus ao título de melhor do mundo? Para os pernambucanos, sim, mas para os brasileiros de outros Estados, nem tanto. 
É verdade que tem o frevo, considerado patrimônio imaterial da humanidade, mais o maracatu, o côco e outras manifestações rítmicas típicas da região. É verdade que o povo ocupa as ruas sem distinção de qualquer gênero. Uns bebem batida de maracujá, outros pinga, outros uísque, e há quem prefira cerveja sem álcool, devido aos impedimentos de saúde. A regra porém é beber e cair no passo.
Os melhores cantores, as melhores orquestras, os melhores grupos folclóricos cantam em mais de 50 palcos montados em Olinda e Recife. Todo mundo irradia felicidade.
O que mais impressiona nesses dias é a alegria contagiante das pessoas. Não há praticamente uma rua que não disponha de um bar, uma barraca na calçada, uma kombi adaptada com os mais diversos tipos de aperitivo e tira-gosto, com um cardápio nordestino – linguiça, miúdos, jabá, macaxeira, salsicha, frango assado, frutas, etc. - a mais variada e às vezes indigesta oferta gastronômica.  Tanto as comidas como as bebidas quase nunca são da melhor qualidade. Se o folião não tem dinheiro, não seja por isso. Há sempre um folião solidário. Sem beber ninguém fica.
Neste Carnaval, por motivos econômicos, o Recife foi obrigado a encher os diversos palcos com artistas locais: Lenine, Alceu Valença, Lula Queiroga, Getúlio Cavalcanti, Claudionor Germano e seu filho, Antônio Nóbrega, entre outros, muitos outros.
Silvério Pessoa, como sempre, foi dos melhores e teve a gentileza de acolher a excelente Flaíra Ferro.
O palco do Marco Zero contou também com os encantos de Luiza Possi e Elba Ramalho, já tradicionais no carnaval pernambucano. A paraibana Elba é de casa e alguns de seus sucessos, como “Banho de Cheiro”, são do pernambucano Carlos Fernando.
O homenageado do ano foi o Maestro Forró, regente amalucado da Orquestra Bomba do Hemetério, que em meados do ano passado passou três meses na Europa exibindo sua excelente performance. Na abertura, ele regeu a orquestra e tocou trompete voando sobre o público em uma tirolesa.  
Na terça-feira ingrata um conjunto de 200 músicos saiu pelas ruas arrastando a multidão. Trata-se de iniciativa que se repete pelo 9º ano, por iniciativa do maestro Spok, homenageado no ano passado. Afinal, a Spok Orquestra de Frevo figura entre os melhores conjuntos do gênero.
A melhor sinfônica do mundo não toca frevo tão bem como a de Spok. O melhor Carnaval do mundo continua sendo o de Pernambuco, particularmente o de Olinda e Recife.


Comentários

  1. Meu amigo, publique essas belezuras no face. Seus conterrâneos certamente iriam amar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS