QUANDO O SELFIE FAZ FALTA

Uma das coisas que me fazem muita falta é a prática comum de fotografarmos nós mesmos ao lado de amigos, artistas ou autoridades durante encontros eventuais. A ideia me ocorreu esta semana quando perdi dois grandes amigos, com os quais convivi durante vários anos: o jornalista Milton Coelho da Graça e o também jornalista Antônio Fernando De Franceschi, que além de banqueiro era poeta.

Natural de Pirassununga, Franceschi era uma espécie de mentor intelectual dos Moreira Salles, quando me convidou, por indicação de Milton, para trabalhar no processo de unificação do Unibanco – União de Bancos Brasileiros, muito antes de sua fusão com o Itaú. Editávamos - Franceschi, eu e um grupo de jornalistas - o “house organ” Jornal Unibanco, com 20 mil exemplares. Reuníamo-nos ora com os Moreira Salles, ora com entrevistados como Osman Lins, misturando atividades tipicamente bancárias com dicas culturais. O bom gosto dos Moreira Salles favorecia encontros e debates de natureza intelectual, daí a Fundação Moreira Salles, importante incentivadora cultural. Já pensou se houvesse selfie à época? Teríamos amostras da criação dessa aguerrida entidade.

Fico imaginando o que poderia ter reunido de selfies nos contatos mantidos com Fidel Castro, Che Guevara, Caio Prado Júnior, D. Hélder Câmara, Pelópidas Silveira, Paulo Cavalcanti, Hiram de Lima Pereira, Antônio Ermírio de Moraes, Adib Jatene, nem sei quantos nomes poderia relembrar. Quando repórter de variedades da Editora Abril, entrevistei todos os artistas, de Roberto Carlos a Silvinha, passando pela arisca Elis Regina. No Rio, era hóspede de Jerry Adriani, em Caxambu era recebido por Ivon Curi e em Joaíma dormia na fazenda de Eduardo Araújo. Passei uns dias fotografando Aguinaldo Rayol quando ele fazia um filme em Gramado.

Podem me acusar de tudo, menos de falta de versatilidade. Tomava drinks com Antônio Marcos e Vanusa ou com Altemar Dutra e Marta Mendonça. Aos sábados tomava café da manhã com Chacrinha, com quem combinava o conteúdo de uma coluna de jornal assinada por ele, mas redigida por mim. Já pensou numa selfie? Chacrinha de pijama e eu anotando suas maluquices, num hotel da avenida Ipiranga! Desculpem a cabotinice, mas só falta fazer selfie com Deus. Espero que demore.

SP 10/06/2021.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS