FISIOLOGIA DO MEDO



Tenho medo de dormir menos que o necessário e amanhã ser cobrado pelo inconsciente. Tenho medo de dar um passo maior do que a perna e cair no primeiro buraco que se me apresente. Tenho medo de comer além da conta e vomitar na cerimônia em que seria conduzido ao palco para receber troféu de idiota.
Antes, não tinha medo de nada. Subia a Serra das Ruças sozinho, a pé, desviando-me dos espinhos e das cascavéis; nadava de um lado a outro do rio Ipojuca em plena cheia, com águas revoltosas e imponentes baronesas me puxando para o fundo.
Não tinha medo de ir de bar em bar em plena madrugada, ao lado de marinheiros bêbados e mulheres mal-amadas. O máximo que acontecia era acordar dia seguinte deitado às margens do rio Capibaribe, sol na cara. Medo não, vergonha não, era literalmente sem medo e sem vergonha.
Um dia peguei o jipe do patrão e fui ao bar onde se reuniam os amigos de seresta e boemia. Depois dos primeiros goles, enchi o pequeno carro de todos os amigos e fomos juntos ao Night, clube da cidade onde se reuniam mulheres de vida fácil e homens de bom coração. Depois do vira-vira-virou levei cada um em sua casa e devolvi o carro a seu lugar de origem, com único dano: o escapamento quebrado pelos solavancos. Nenhum medo, pequeno prejuízo.
Medo teria mais tarde ao andar nas ruas de São Paulo durante anos, trabalhando oito ou mais horas por dia, viajando em ônibus e depois em carro próprio, tendo de provar a cada dia que era capaz, tendo de matar um leão por dia, comendo o pão que o diabo amassou, fazendo das tripas coração, e por aí afora. E alguém dizendo que era pouco. Não bastava um apê de 70 metros quadrados e um Fusca. Queria mais, uma cobertura com vistas para o mar, talvez.
Tenho medo de, além dos oitenta, das co-morbidades, da lua se escondendo entre os prédios e do sono que não chega como antigamente, quando bastava sentar no ônibus e o motorista avisar – chegamos!
Enquanto São Paulo comemora sua Revolução Constitucionalista de 1932 eu comemoro os 50 anos de meu segundo filho, por acaso Paulo, ouvindo Sofia Vasheruk tocar o primeiro concerto para piano e orquestra de Tchaikovsky. O medo já se foi.
SP 09/07/2020

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS