UNIVÍRUS




A mais recente onda é trabalhar em casa, usando as facilidades do home office. O jornal o Estado de S. Paulo fez um caderno especial de seis páginas explicando tudo a respeito. A louvável iniciativa esbarra na pergunta de Caetano Veloso: quem lê tanta notícia? Terá o leitor tempo e disposição para digerir tanta informação? Até mesmo um jornalista metido a escritor sofre ao tentar compreender tantas explicações.
Resta-me agradecer a iniciativa e torcer para que todo mundo usufrua da nova modalidade de comunicação. Por enquanto, me contento com Watt Sap, Facebook e Instagran, que substituem com vantagens o dominó e o gamão dos aposentados de outrora.
Sabe-se que a televisão, o rádio e a internet tem sido de grande utilidade para quem fica em casa. Antes, havia também o jornal, cuja assinatura garantia informação e entretenimento. Até hoje sou viciado na edição impressa em papel, que nos dá também o prazer de folhear, reler, recortar e guardar. Nos últimos dias a edição impressa tem dado raiva. Tem tudo que já vimos e ouvimos à exaustão na noite anterior. Haja saco.
A ansiedade é muita, aguçada pelas ameaças à saúde. Mesmo assim, considero inaceitável a cobrança desenfreada de certos apresentadores de televisão, querendo a qualquer custo que o presidente, o governador, qualquer autoridade decrete o fim do mundo. Querem, suponho, que as autoridades apressem o fim das desgraças, prendam e arrebentem por decreto-lei.  
Ficar em casa é ótimo. Mas também é bom andar, conversar com as pessoas, ver a paisagem, tomar café na padaria, comer pastel na feira, ir a um motel...
O implacável ataque do coronavírus trouxe a novidade de colocar num mesmo barco ricos e favelados. O colete salva-vidas que alguns compravam a qualquer preço não está à venda em nenhum shopping center.
SP 22/03/2020

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS