MEMÓRIAS VIRAM CRÔNICAS



O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), maior e melhor hospital universitário do país, com cerca de dez mil servidores, atende milhares de pessoas não apenas de São Paulo, mas de outros Estados e do exterior. Desde sua inauguração em 1944 impunha-se regime administrativo fechado e só se relacionava com a imprensa através de nota oficial.
Em 1982 o então superintendente Guilherme Rodrigues da Silva criou uma assessoria de imprensa e nomeou o jornalista Flávio Tiné para promover o atendimento à mídia. Era uma missão difícil, alguns consideravam impossível.
Sem muita capacidade de liderança, o jornalista era amigável e tolerante, tendo também qualidade de conduzir o processo de discussão dos feitos do hospital sem entrar em conflito com os professores doutores: tinha calma, irritante calma. Quando tudo se voltava contra ele e começavam a pedir sua cabeça, alegando incompetência, ele fingia ser portador de Down, provavelmente sem o perceber. A doença não era ainda a coqueluche em que se transformou, levando a classe média alta a descobrir vítimas entre familiares. O próprio hospital mantinha em seu quadro de funcionários portadores de deficiência, admitidos por amigos, parentes ou professores, ou com apoio de legislação pertinente.
O cargo de assessor de imprensa, embora exigisse dedicação exclusiva e atenção dia e noite, era disputadíssimo, inclusive por filhos (as) de professores doutores formados em jornalismo. Para sorte do assessor, a estabilidade era garantida pela legislação. Ninguém conseguiu derrubá-lo em 21 anos, até que um administrador o demitiu por justa causa, a pedido de um dos 55 professores que se sentia prejudicado pela má divulgação de seus feitos. A medida foi corrigida pela Justiça, mas a indenização foi levada a precatório, isto é, o Estado transferiu o pagamento para o fim do mundo.
Bafejado por alguns e disputado por profissionais em fim de carreira, o cargo de assessor de imprensa virou troféu desejado por todos. Flávio Tiné atribui o eventual êxito de sua missão à qualidade dos serviços e ao nível dos entrevistados – não a seu trabalho.
Em forma de crônicas, os relatos estão no Blog Tiné (blogdotine.blogspot.com), para apreciação e julgamento de todos – não para vanglória.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS