UM SONETO POR DIA




DESEJO EXPLÍCITO

Um dia eu desejei ser escritor
pôr no papel aquilo que aprouver
chamar de meu o mundo e escrever
o me der na telha, o que vier.

Já fiz versos pra lua, pra mulher,
pra jovem que desfila com cachorro,
fiz até um soneto em boa fé
dizendo que por ela eu mato ou morro.

Nada disso impediu ou consolou
o cego impulso de pôr no papel
tudo aquilo que me convier.

Assim, eu continuo a tentar
a fazer verso como bem quiser,
mesmo que digam que devo parar.

SP 25/11/2019

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS