O ETERNO CANDIDATO

Vizinho parede-meia há 52 anos pede que eu escreva um livro sobre ele. Aposentado, filhos casados, vários netos, vida financeira garantida pelo INSS, dele e da esposa, já plantou uma árvore e falta apenas escrever um livro - alega.

Tem um desejo incontrolável de servir ao próximo. Frequenta terreiro espírita aos domingos para fazer almoço comunitário e visita familiares num raio de mil quilômetros para levar presentes, frango assado com farofa e até jornal velho para as necessidades do cachorro.

Sua vontade de servir ao próximo é tamanha que já foi candidato a vereador e a deputado federal umas dez vezes, por diferentes partidos. Raramente conseguiu mil votos. Gosta de distribuir “santinhos” e sente-se gratificado quando alguém lembra seu espírito público, seu amor ao próximo, sua vontade de servir.

Representante comercial, percorria todo o Estado de São Paulo, visitava potenciais compradores em quase todos os 645 municípios, aos quais prometia lucros, jurava fidelidade e amizade. Abordava estranhos com tal intimidade que no minuto seguinte ninguém suspeitava de que ele era um total desconhecido até então. 

Com tamanho coração, sempre levava prejuízo ao candidatar-se, mesmo recebendo ajuda de custo dos partidos ou uma Kombi para distribuir panfletos.

É do tipo bonachão, aquele que abre os braços ao cumprimentar qualquer pessoa, amigo ou desconhecido, distribuindo elogios, oferecendo uma bala ou fazendo um elogio. Quem leva uma encomenda, faz uma entrega, lembra algo que ele esqueceu, enfim, faz qualquer favor, não precisa cobrar recompensa. Ele se antecipa, gentil e grato.

Confesso que mesmo diante de tão nobres referências não consegui fazer sua biografia.

Ao explicar essa dificuldade, ele resolveu contar detalhes de sua vida antes de se transferir para São Paulo. Desfilou aventuras da juventude no Rio de Janeiro, convivendo com tipos populares da velha Lapa carioca, como o lendário Madame Satã, por exemplo. Embora nada edificante, só esse detalhe renderia boas histórias.  

A verdade é que nem invocando minha suposta experiência consegui produzir tal livro. Para quem não sabe escrevi pelo menos duas biografias, a de Taiguara e a de Romero Figueiredo, ambas disponíveis na internet. No caso de Taiguara consultei arquivos, entrevistei vários artistas, inclusive familiares. Esbarrei na autorização para publicar algumas fotos. Parentes próximos alertaram sobre a possibilidade de embargo. De tanto ser advertido, desisti.

No caso de Romero foi mais fácil. Trata-se de um pintor olindense que foi amigo na juventude em Caruaru, cuja carreira acompanhei na Manchete, na Abril e na Curt, como profissional de fotografia. Ele não permitiu a publicação, alegando ser um ilustre desconhecido.

Privado da biografia do eterno candidato, o leitor poderá dedicar algum tempo à leitura das histórias do cantor e do pintor, cujo eventual enxugamento, como acusaram os poucos amigos que as leram, se deve a exageros do copidesque que fui durante vários anos.

Com a desistência, corro o risco, enfim, de me tornar um eterno candidato a biógrafo. Júlio Maria, Ruy Castro, José Nêumanne Pinto, José Telles, Zuza Homem de Melo, Lira Neto e outros que tais podem ficar tranquilos. Não terão concorrentes, por enquanto.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS