FORA SÃO PAULO




Como todo paulistano que se preza, nascido ou não nesta cidade enorme e complexa, já caí na esparrela de andar a pé aos domingos por toda a extensão da Avenida Paulista em busca de suas atrações. Além dos lindos prédios, tem também diversas instituições culturais que acolhem com simpatia seus frequentadores, proporcionando-lhes paisagens deslumbrantes e deliciosa culinária, sem falar no desfile de jovens vestidas como se estivessem na praia.
Vinicius de Moraes celebrizou Ipanema por causa de uma única jovem, que depois virou a “Garota de Ipanema”, sucesso mundial como samba-canção. Na Avenida Paulista aos domingos qualquer poeta encontra, sem muito esforço, uma Leila Diniz em cada esquina.
Mesmo assim, gostaria de saber o que pensa o carioca com suas paisagens, o nordestino com suas praias e os brasileiros do Pantanal ou da Amazônia com suas florestas, a respeito dessa selva de pedra que esconde o Sol e não deixa a Lua entrar pelas janelas, dependendo do ângulo em que estão os prédios.
Talvez tudo seja maravilhoso aos olhos de um arquiteto. É possível vislumbrar poesia nas curvas de Niemeyer, que também existem por aqui, mas o que predomina é o concreto. O verde tenta furar o cimento que esconde a terra. Fios paralelos se enroscam de um poste a outro e daí para as paredes, formando labirintos sem fim que enfeiam o ambiente. Cabos se entrelaçam como enamorados.
Do alto dos prédios, uma bela visão de quê? De prédios. Prédios e mais prédios. O mais provável é que estejamos extasiados por uma suposta grandiosidade eloquente. Dá medo a hipótese de que este cenário de tantos gritos (Fora Lula, Fora Dilma, Fora Temer, Fora Bolsonaro) venha se transformar no palco de um sonoro Fora São Paulo.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ETERNO CANDIDATO

SINAL DOS TEMPOS

MINHAS CENAS INESQUECÍVEIS